sábado, 20 de janeiro de 2018

Grêmio sofre virada e perde para o Caxias por 5 a 3 na Arena Comandados de Cesar Bueno abriram 3 a 1,mas não resistiram e amargou a primeira derrota no estadual 2018 em casa

O time do grupo de transição do Grêmio perdeu para o Caxias, por 5 a 3, na Arena, na tarde deste sábado. Os comandados de Cesar Bueno chegaram a estar vencendo por 3 a 1, mas não repetiram na segunda etapa o desempenho do primeiro tempo e viram a equipe da Serra virar a partida.
Com o resultado, o time do técnico Luiz Carlos Winck segue na primeira colocação com seis pontos em seis disputados. Já o Tricolor permanece com um ponto e ocupa, neste momento, a sétima colocação.
Na próxima quarta-feira, o Grêmio vai a Santa Cruz do Sul enfrentar o Avenida, no estádio dos Eucaliptos, às 19h30min. No mesmo dia, o Caxias recebe o Inter, no Centenário, às 21h45min.
Grêmio marca três em menos de 30 minutos e sofre dois
O Grêmio iniciou pressionando e, logo a 5 minutos, Madson avançou pela lateral direita e cruzou rasteiro, Lima deu um corta-luz, Jean Pyerre chutou rasteiro e Gledson espalmou para o lado direito. Isaque, bem colocado, chutou para o fundo das redes. Após o reinício de jogo, dois minutos depois, Cleiton cobrou falta próxima a lateral esquerda no primeiro poste, Nicolas desviou de cabeça no canto direito de Grassi e deixou tudo igual.
Após o gol, o Grêmio voltou a pressionar, mas tinha dificuldades para furar o bloqueio defensivo do clube da Serra. Entretanto, cinco minutos depois da parada para hidratação, aos 26, Madson passou para Isaque que avançou e cruzou para Lima. O jogador do grêmio errou na bola, mas ela sobrou para Matheus Henrique, que chutou sem chances para Glédson.
Dois minutos depois, Pepê foi lançado por Isaque, pela direita de ataque, nas costas da defesa do Caxias. Sem marcador, ele avançou e passou Jean Pyerre, no meio da área, chutar para o fundo das redes. Grêmio 3x1 Caxias. Aos 30, alguns torcedores passaram a gritar “olé” quando o time gremista trocava passes.
Mesmo com a vantagem no placar, a equipe de Cesar Bueno não abdicou de atacar e seguia criando jogadas ofensivas. Já o Caxias tentava superar a marcação do Tricolor, mas também não conseguia criar lances de perigo. Até que, aos 37, após escanteio da direita de ataque cobrado por Diego Miranda, Nicolas apareceu livre no primeiro poste, cabeceou e a bola passou rente ao poste direito de Grassi.
O Caxias voltou a levar perigo no minuto final do tempo regulamentar. Rafael Gava tabelou com Nicolas, recebeu de volta e bateu. Grassi saltou e conseguiu desviar pela linha de fundo. Aos 48, em nova falha de marcação da bola área, novo gol do Caxias. Após cruzamento da esquerda de ataque, a bola cruzou a área e, no segundo poste, Laércio cabeceou no lado contrário, sem chances para Grassi. Grêmio 3x2 Caxias. Após o reinício, o árbitro Vinícius Amaral encerrou o primeiro tempo.
Caxias domina e vira o jogo
Após o reinício de partida, o Grêmio voltou a pressionar o adversário e Pepê por pouco não ampliou. Aos 35 segundos, o jovem tabelou com Madson, driblou dois adversários e, próximo a linha da grande área, bateu, mas o chute saiu rasteiro e fraco para fácil defesa de Glédson. Porém, foi o Caxias que marcou e deixou tudo igual.
Aos nove, Cleiton cruzou da direita de ataque, Madson se colocou na frente de um adversário e cabeceou a bola. Segundo o árbitro Vinícius Amaral, a bola bateu no braço do lateral e ele marcou pênalti. João Paulo bateu a meia altura no lado esquerdo de Bruno Grassi, que saltou para o direito. Grêmio 3 a 3 Caxias.
Quatro minutos após o gol de empate, Cesar Bueno retirou o atacante Isaque, que foi recuado para o avanço de Lima e não repetiu a atuação do primeiro tempo, e colocou o estreante Alisson. O segundo lance de perigo do Tricolor ocorreu aos 21 minutos. Guilherme Guedes cruzou da direita e Lima cabeceou com perigo próximo ao travessão do Caxias.
Dois minutos depois, o clube da Serra virou o placar em um gol polêmico. Após escanteio da direita de ataque, Laércio desviou com a perna direita em direção ao gol, Grassi saltou e segurou a bola. Porém, o árbitro Vinícius Amaral atendeu a marcação do árbitro que fica atrás da meta apontando que o goleiro do Tricolor estava dentro da meta e confirmou o gol do Caxias. Caxias 4x3 Grêmio.
Após o gol, Bueno retirou Balbino e Pepê para as entradas de Tilica e Patrick. Atrás no placar, o Tricolor passou a ter maior presença no campo ofensivo, mas sem conseguir furar o bloqueio do time de Caxias, que se recolheu para contra-atacar.
Aos 49, Ruan errou um passe dentro da área, Rafael Gava roubou a bola e passou para Daniel Cruz chutar. Caxias 5 a 3 Tricolor. O Grêmio insistiu até o apito final do técnico Vinícius Amaral, mas não criou chances claras de gol e amargou a primeira derrota no estadual 2018.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Inter demora a engrenar,mas domina segundo tempo e vence Veranópolis Pottker abriu o placar em velocidade, garantindo o 1 a 0 na estreia do Gauchão 2018

Inter derrapou no primeiro tempo, demorou a engrenar, mas conseguiu a vitória sobre o Veranópolis nesta quinta-feira. O placar poderia ter sido maior que o 1 a 0, mas Damião desperdiçou gols em um segundo tempo de várias oportunidades para o Colorado. Na segunda rodada, o desafio será contra o Novo Hamburgo, no domingo. O VEC, por sua vez, enfrentará o São José.
A equipe colorada tentou implementar um estilo com mais toque de bola, nos minutos iniciais do primeiro tempo, mas sem espaço logo retomou o velho cacoete da ligação direta. Com poucas opções para criar, as chances de gol foram poucas e o Veranópolis chegou a ameaçar mais a meta do Inter.
Após 15 minutos infrutíferos de bolas nos flancos, com cruzamentos sem alguém para concluir de Uendel e Cláudio Winck, foi o VEC que criou as primeiras oportunidades. Wesley puxou contra-ataque e cruzou na área, a zaga afastou parcialmente, mas Juba recuperou. Na hora do chute, Cuesta conseguiu bloquear para escanteio.
Visitantes ameaçam no Beira-Rio
Na cobrança de Felipe Matione, Danilo afastou no pé de Rafael Bomfim. O zagueiro tentou emendar de voleio, mas bateu fraco na bola. Logo depois, em jogada de Bertotto, Rodrigo Dourado fez falta na meia-lua. Matione cobrou forte, mas estampou a cabeça de Damião na barreira.
Foram longos minutos e nada de chances para o Colorado, que ainda perdeu Uendel, substituído por Iago, com lesão no joelho. Aos 35 minutos, Jadson cobrou falta na área do Inter e Rafael Bomfim subiu livre para cabecear. A torcida se assustou, só que o testaço saiu em tiro de meta.
Apenas aos 38 minutos é que o Inter foi ameaçar o adversário no Beira-Rio. Winck escapou pela direita, driblou um marcador e serviu com açúcar para Camilo. A dois passos da pequena área, o meia pegou mal na bola e chutou para fora a única conclusão colorada antes do intervalo.
Colorado vai para cima e abre o placar
O segundo tempo foi uma história diferente. O Inter voltou com velocidade e movimentação, envolvendo o Veranópolis e pressionando pelo gol.
Os comandados de Julinho Camargo até testaram os nervos da torcida no primeiro minuto: Matione lançou Wesley, que recuou com Bertotto. O volante tentou o chute de longe, mas saiu bem acima da goleira. Ficou por aí.
Aos quatro minutos, Pottker fez sua primeira participação, e foi o suficiente. Dourado roubou bola no meio e lançou o atacante. Em alta velocidade, ele passou pelos defensores e confirmou o 1 a 0 na saída do goleiro.
Pottker passou a infernizar o flanco direito, criando várias chances. O problema foi a pontaria. Aos 9, Winck ganhou na direita e cruzou nos pés de Damião. O centroavante pegou mal na bola e mandou para fora. Cinco minutos depois, Pottker driblou dois no fundo e serviu com açúcar para Damião. Na risca da pequena área, ele demorou para chutar e bateu mascado.
Se o 2 a 0 não veio, muito foi por causa do centroavante colorado, que perdeu a terceira chance clara aos 28 minutos. Gabriel, que entrou no lugar de Camilo, recebeu de D'Alessandro, invadiu a área e rolou para Damião. Com todo o gol à disposição, ele chutou fraco, em cima do goleiro Reynaldo.
O VEC ensaiou uma última reação, mas desperdiçou falta na risca da área. Eduardinho ainda ensaiou jogada individual e chutou forte do flanco direito, mas mandou por cima. Fim de papo, vitória colorada.
Gauchão - 1ª rodada
Inter 1
Danilo Fernandes; Cláudio Winck, Klaus, Víctor Cuesta e Uendel (Iago); Rodrigo Dourado, Edenilson, William Pottker, D'Alessandro (Nico López) e Camilo (Gabriel Dias); Leandro Damião. Técnico: Odair Hellmann.
Veranópolis 0
Reynaldo; Felipe Mattioni, Rafael Bonfim, Léo D’Agostini e Jadson Silva; Bertotto (Fabrício), Eduardinho e Jair; Rogerinho (Gabriel Silva), Juba (Matheus) e Wesley. Técnico: Julinho Camargo.
Gol: William Pottker (4min/2ºT).
Cartões amarelos: Rodrigo Dourado, Víctor Cuesta (I); Jadson (V).
Público: 15.149.
Arbitragem: Douglas da Silva, auxiliado por Elio Nepomuceno Júnior e Jorge Eduardo Bernardi.
Local: Beira-Rio.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Garotos do Grêmio saem na frente, mas cedem empate ao São Luiz Tricolor teve Paulo Miranda expulso no fim e não conseguiu evitar o 1 a 1

Os garotos do Grêmio tiveram uma atuação competitiva e flertaram com a vitória, mas os três pontos escaparam nos minutos finais do confronto com o São Luiz de Ijuí. A expulsão do experiente Paulo Miranda complicou a vida dos gremistas e o 1 a 1 veio aos 45 minutos da etapa final, depois dos donos da casa terem um pênalti negado pela arbitragem.
Nesta quinta-feira, o grupo principal se apresenta em Porto Alegre. Para sábado, contudo, ainda é com o grupo de transição que o Grêmio enfrentará o Caxias, na Arena, pela segunda rodada do Gauchão.
Os primeiro minutos mostraram os jovens do Tricolor com algum nervosismo, enquanto os donos da casa pressionavam. Bruno Grassi foi importante para manter a segurança embaixo da meta nos primeiros 15 minutos. Na metade final da etapa, porém, a gurizada se encontrou e buscou vantagem no placar.
O goleiro gremista, por sinal, foi exigido logo aos dois minutos. Márcio Goiano foi lançado pela esquerda, invadiu a área e chutou cruzado, mas parou nas mãos do arqueiro. O garoto Lima deu a resposta quatro minutos depois. Ele tabelou na esquerda, e driblou dois marcadores antes de chutar forte, tirando tinta do poste esquerdo.
Grêmio avança e abre o placar
Éder e Gustavo Xuxa eram as principais ameaças do São Luiz, mas conseguiram principalmente chutes de fora da área, sem acertar a mira. Aí, o Grêmio adiantou a marcação e passou a levar perigo. Com velocidade boas trocas de passe, principalmente pela direita com Leonardo, o time gremista chegou ao objetivo.
O lateral, que por capricho entrou no lugar do lesionado Anderson nos primeiros minutos, apareceu aos 22 minutos pela direita e mostrou visão de jogo. Cruzou na entrada do colega Matheus, que dominou entre dois marcadores e, mesmo desequilibrado, enfiou o pé na bola, que estufou as redes para o 1 a 0.
Com o gol, os gremistas recuaram um pouco e Bruno Grassi precisou fazer nova grande intervenção. Aos 27, Éder foi lançado por Gustavo Xuxa nas costas da zaga. Ele ajeitou o corpo e chutou na marca do pênalti. O goleirão gremista cresceu na saída do gol e conseguiu colocar para escanteio com o pé.
O São Luiz foi para a pressão e acumulou quatro escanteios, mas Mendonça e Balbino mostraram segurança na bola aérea para afastar. Antes do intevalo, ambos os times ainda tiveram chances de marcar. Primeiro, o São Luiz teve chance em falta de Balbino sobre Luiz Carlos na meia-lua da área. O próprio Luiz Carlos cobrou forte, só que por cima. Aos 45, Leonardo cruzou na cabeça de Lima, que emendou um belo peixinho e carimbou a trave, que manteve o 1 a 0.
O Grêmio voltou com uma marcação mais fechada e organizada, o que deixou o segundo tempo com bem menos opções ofensivas dos dois lados. Tentando recuperar o prejuízo, o São Luiz fez várias alterações, sem criar muitas chances, porém.
Logo aos dois minutos, uma das raras oportunidades gremistas. Ancheta tentou a jogada com Pepê, que girou na frente da área e chutou. Saiu fraco, fácil para o goleiro. No contragolpe, Éder recebeu na direita, driblou Guedes e cruzou com perigo. Mendonça afastou de cabeça. Logo em seguida, Éder foi substituído por Karl.
Chance de gol novamente apenas aos 24 minutos. Guedes levantou na área e Balbino cabeceou na trave direita, que caprichosamente tirou o gol gremista. Ronaldinho Gramadense e Mikael foram para o jogo, enquanto o Tricolor lançou Lucas Poletto no lugar de Lima e Thaciano foi a campo na troca com Ancheta.
São Luiz tem pênalti negado, mas empata
A grande polêmica do jogo veio aos 37 minutos. Mikael foi lançado por Ronaldinho, tirou do goleiro Bruno Grassi e foi derrubado. Seria pênalti, entretanto a arbitragem não marcou e ainda deu amarelo por simulação ao atacante.
Aos 39, Paulo Miranda fez falta feia e foi expulso na sua estreia com o Tricolor. Com um a mais, o São Luiz fez justiça no placar aos 45 minutos. Ronaldinho Gramadense recuperou rebote na esquerda e chutou forte. A bola desviou na zaga e tirou Grassi do lance, confirmando o 1 a 1.
Guedes ainda tentou devolver o Grêmio à liderança do placar aos 47, numa jogada individual. Ele cortou para o meio e disparou uma bomba no canto direito, mas um desvio mandou a escanteio. Nisso, o São Luiz também quase fez o seu aos 49. Gustavo Xuxa recebeu na intermediária e mandou um chutaço que estampou o travessão, na última grande oportunidade da partida.
Gauchão - 1ª rodada
São Luiz 1
Jonatas; Thomas, Tairone, Ricardo e Márcio Goiano; Rudiero, Prill (Karl), Éder (Mikael), Michel (Ronaldinho Gramadense) e Gustavo Xuxa. Técnico: Paulo Henrique Marques.
Grêmio 1
Bruno Grassi; Anderson (Leonardo), Paulo Miranda, Mendonça e Guedes; Balbino, Ancheta (Thaciano), Matheus, Lima (Poletto), Pepê; Isaque. Técnico: César Bueno.
Gol: Matheus (22min/1ºT), para o Grêmio; Ronaldinho Gramadense (45min/2ºT), para o São Luiz.
Cartão vermelho: Paulo Miranda (G).
Cartões amarelos: Paulo Miranda e Pepê (G); Rudiero, Luis Carlos (S).
Árbitro: Jonathan Pinheiro.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

No Choque-Rei São Paulo é campeão da II Copa Internacional Ipiranga Sub-20 4 a 3

Com 100% de aproveitamento na competição, o São Paulo chegou à final da Copa Internacional Ipiranga, no Rio Grande do Sul, para defender o título que já havia ganho no ano anterior. Mas o Tricolor Paulista tinha pela frente um clássico diante do Palmeiras. No Choque-Rei, não faltou emoção de uma grande final. O Tricolor esteve atrás no placar por três vezes, buscou empate e a vitória, com um jogador a menos em boa parte do segundo tempo. Com 4 a 3 no marcador, o Sub-20 levantou a taça pela terceira vez consecutiva.
O jogo começou com poucas chances dos dois lados, bastante truncado no meio de campo. Até que aos 26 minutos, Aldo acertou um belo chute, e abriu o placar para o Palmeiras. O São Paulo chegava nas bolas alçadas e paradas, e foi assim que saiu o gol de empate. Aos 46 minutos, em cobrança de falta de Igor Gomes pela direita, Walce, de cabeça, deixou tudo igual, 1 a 1.
O segundo tempo começou com o Palmeiras mais ofensivo. Aos 18 minutos, em jogada na área defensiva, Walce colocou a mão na bola, sendo expulso. Na cobrança, Aldo fez 2 a 1. Passados 5 minutos, Gabriel Novaes deixou tudo igual novamente. ntony Luan cruzou, Gabriel Sara chutou e a zaga desviou, na sobra, Gabriel Novaes completou de cabeça.
Para recompor o time com a ausência de Walce, André Jardine sacou Gabriel Sara, colocando Caio na lateral e Tuta fixo  na zaga. Geovane substituiu Antony.  Aos 28 minutos, Papagaio colocou o Palmeiras na frente de novo, 3 a 2. Aos 35 minutos, Bissoli e Fabinho entraram nas vagas de Igor Gomes e Gabriel Novaes.
O Tricolor se encontrava mais no jogo, mas tinha dificuldades com um a menos. Por fim, na última dupla substituição, entraram Helinho e Oliveira, saindo Cássio e Liziero. O São Paulo era guerreiro e mais uma vez empatou. Após chute de Rodrigo, Tuta encheu o pé e fez 3 a 3, aos 43 minutos. Quando tudo indicava que ia para os pênaltis, aos 48 minutos, Helinho cobrou escanteio e Bissoli, de cabeça, fez 4 a 3 Em jogo épico, emocionante e de virada, o São Paulo foi tricampeão consecutivo do torneio.
A campanha do São Paulo na competição foi de grandes vitórias. Na primeira fase, o Tricolor venceu o Lanús, Argentino Jrs, Internacional e Chapecoense. Nas quartas de final eliminou e Bahia e mais uma vez venceu um argentino, o Huracán, na semifinal, chegando ao clássico com seis vitórias.
Em 2015, o titulo foi sobre o Atlético/MG, por 3 a 1, gols de David Neres (2), hoje no Ajax, da Holanda, e um de Joanderson, que atualmente está no Internacional. Já em 2016, a decisão foi por pênaltis, depois do empate no tempo regular em 2 a 2, gols de Léo Natel e Oliveira. Nas cobranças de pênalti, o goleiro Júnior brilhou, defendendo uma cobrança e garantindo a taça Tricolor.
São Paulo Sub-20: Júnior; Tuta, Rodrigo, Walce e Liziero (Oliveira); Cássio (Helinho), Luan, Gabriel Sara (Caio), Igor Gomes (Bissoli), Antony (Geovane) e Gabriel Novaes (Fabinho)
Técnico: André Jardine
Palmeiras Sub-20: Anderson, Matheus Rocha, Vitão (Pablo), Iago e Luan (Matheus Bahia); Matheus Neris (Léo Paulino), Johnny, Airton (Fernando) e Aldo (Alan); Stuart (Yan) e Papagaio. Técnico: Gilmey Aimberê (auxiliar)

sábado, 16 de dezembro de 2017

Grêmio perde para o Real Madrid e fica com vice-campeonato no Mundial de Clubes Cristiano Ronaldo,de falta,marcou o gol que deu ao time espanhol o sexto título europeu 1 A 0

Todo mundo sabia que era uma tarefa árdua e hercúlea derrotar o Real Madrid. O Grêmio não se intimidou. Enfrentou com garra e força, marcas do Tricolor. Valentia até o apito final. Porém, o time espanhol se impôs com naturalidade e conquistou, neste sábado, 16 de dezembro de 2017, em Abu Dhabi, o sexto título mundial. O Real é bicampeão consecutivo. Cristiano Ronaldo, de falta, aos 7 minutos do segundo tempo, marcou o gol da vitória do time espanhol.  Não faltou garra, mas qualidade técnica ofensiva. Errou passes demais, não conseguiu sair do campo defensivo. Luan foi apático, Fernandinho, lento. Edílson e Cortez travados. O vice-campeonato mundial, porém, não é demérito. O grupo do Grêmio mostrou ao seu torcedor ao longo do ano que pode, sim, continuar dando alegrias e empilhando conquistas como a Copa do Brasil do ano passado e o TRI da Libertadores da América em novembro passado. Final de temporada, desgaste físico e mental, desfalques, tudo, somado com a abissal diferença entre os times, faz com que o Grêmio volte dos Emirados Árabes sem o bicampeonato mundial.

Início promissor vira fumaça

O Grêmio surpreendeu o Real Madrid nos primeiros cinco minutos. Adiantou a marcação e pressionou a saída de bola do todo-poderoso time espanhol. Os meias e volantes do Tricolor mordiam, fechavam os espaços e forçavam o erro da equipe de Zidane. Porém, quando teve a bola, o Grêmio não conseguiu entrar na área, realizar um jogada, disparar um chute. O Real, então, viu que não tinha motivo para se assustar e foi, com a categoria de Casemiro, Modric, Kroos e Isco, fugindo do aperto e avançando em bloco. Retomaram a posse de bola e ficaram com ela praticamente até o apito final em busca de uma brecha.
Kannemann e Geromel foram perfeitos. Geromel, logo de cara, chegou firme em Cristiano Ronaldo. Deu o recado. O capitão gremista acertou todos os lances. Impecável. Kannemann, outro guardião. Firme, não se intimidou com Benzema. O Real não acelerou o jogo para impedir espaços na defesa. Com isso, o Grêmio, que já errava muitos passes, não teve um contragolpe para tirar Navas da tranquilidade em que assistiu ao jogo. O Grêmio sofria. Era atacado. Envolvido. Pressionado. Mas suportou com frieza. Os jogadores do time espanhol se deslocavam e faziam triangulações pelos dois lados do campo. Aos 13 minutos, Casemiro faz um cruzamento da esquerda. Varane, que deixou a zaga para virar atacante, entrou sozinho, no único descuido da zaga gremista. Por sorte não chegou na bola. A equipe de Renato não tinha tempo de respirar e tocar a bola. Pois ela ficava o tempo todo com o Real. Luan, apagado, meio sonolento, errava toques curtos e não tentou uma jogada em profundidade. Aos 16, outra vez o Real Madrid rondando a área. Kroos brigou pela bola no chão. O meia alemão deixou ela açucarada para Cristiano Ronaldo. O melhor do mundo bateu rasteiro, à direita de Marcelo Grohe.

Real encurrala o Grêmio

Modric, aos 19, parte para cima de Edílson e cruza. Carvajal pega de primeira. E lá estava Geromel. Ele ergue a perna, que parece de borracha, e evita o gol. O Tricolor estava acuado. Aos 23 Modric recebeu de Marcelo, driblou Michel e chutou à esquerda de Grohe. Aos 34, Kroos tentou driblar Geromel. O capitão gremista desarmou com técnica perfeita. Dois minutos depois, mais Real. Isco achou Marcelo livre na linha de fundo. O lateral cruzou com veneno. Carvajal batu cruzado e Jailson fez o corte preciso. Na sequência, a bola espirrada ficou com Cristiano Ronaldo. Ele se preparava para ajeitar e passar ao companheiro quando, como um tanque, Kannemann dá um carrinho e manda para longe. Aos 38, Cristiano Ronaldo bateu falta perigosa. A bola saiu por cima. O Real Madrid sufocava o Grêmio, que só conseguia se defender. Geromel, em mais uma grande jogada de Modric, afastou por cima e por baixo em dois lances em sequência.

1 chute no gol
O Grêmio teve uma única chance. Edílson, de falta, aos 27, mandou uma paulada. Tirou tinta. E foi só.

Mesmo filme no 2º tempo

Renato não mexeu no time. O Real não mexeu na sua postura. Foi para cima do Grêmio. Aos 6 minutos, Cristiano Ronaldo é derrubado perto da área. Ele bateu. Barrios gira para o lado errado e a barreira abre. A bola passa no meio e vai no canto de Grohe, que não teve tempo de chegar nela: 1 a 0. Gol do melhor do mundo, que um minuto antes já havia tido uma chance. Livre na frente da área, bateu forte. A bola foi para fora. Muita comemoração do time e nas arquibancadas. O Grêmiou seguia errando passes e, com isso, sendo sufocado perto da área. Aos 15 minutos, Casemiro bateu forte de fora da área. Grohe fez a defesa de soco. A equipe espanhola seguiu com o total controle da partida. Trocava passes e ia para o ataque com tranquilidade. O Real Madrid impôs sua superioridade ao natural. Aos 19, Modric teve espaço para dominar, avançar e bater com efeito. Grohe espalma e a bola explode na trave.

Grêmio no jogo, um lampejo

Um minuto depois, o Grêmio, chegou na frente. Cortez foi na linha de fundo e cruzou rasteiro. O goleiro Navas saiu e segurou com facilidade. O lance deu um ânimo para o time. Avançaram e passaram a jogar com mais velocidade em contra-ataque. Foi um lampejo. Grêmio saiu, aos 24, com Luan, Fernandinho e Ramiro. O último passe saiu errado.

Pressão total

O time de Zidane logou voltou a controlar, cadenciar e fazer a bola girar de um lado para outro. Aos 30 minutos, Benzeman recebeu na entrada da área, após passe milimétrico de Kroos. O chute saiu desviado e Marcelo Grohe segurou firme. O Real chegava com três, quatro jogadores tabelando na entrada da área. Cristiano Ronaldo, aos 36, recebeu livre dentro da área e bateu forte. Grohe faz uma grande defesa. Aos 39, Bale, chegou driblando Michel e bateu pelo alto. Grohe tirou com a ponta dos dedos. 

Tentativa de reação

O Grêmio foi para o tudo ou nada. Adiantou o time e foi para cima, mas em nenhum momento chutou contra Navas. O Tricolor até conseguiu ficar com a bola, tabelar, mas sem profundidade. Maicon deu controle de bola e cadência. O Grêmio lutou, foi valente, mas o Real Madrid mostrou o motivo de ser um time multicampeão.

Ficha técnica

Grêmio (0)
Marcelo Grohe; Edilson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Michel (Maicon), Jailson, Ramiro (Everton), Luan e Fernandinho; Lucas Barrios (Jael).
Técnico: Renato Portaluppi.

Real Madrid (1)
Keylor Navas; Carvajal, Varane, Sergio Ramos e Marcelo; Casemiro, Kroos, Modric e Isco (Lucas Vázquez); Cristiano Ronaldo e Benzema (Gareth Bale).
Técnico: Zinedine Zidane.

Gol: Cristiano Ronaldo, aos sete minutos do segundo tempo.

Árbitro: César Ramos (México).

Cartão amarelo: Casemiro (Real Madrid).

Público: 41.064 torcedores.

Local: Estádio Zayed Sports City, em Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos).

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Grêmio vence Pachuca e está na final do Mundial de Clubes Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol da vitória gremista


A "profecia" está mais próxima de ser cumprida: "acabar com o planeta". O Grêmio está na final do Mundial de Clubes e a 90 minutos, caso não haja prorrogação, de conquistar o campeonato mundial. Na tarde desta terça, noite nos Emirados Árabes,  o Tricolor, num sufoco, num jogo nervoso, precisou da prorrogação para derrotar o Pachuca. Everton, num belo lance, após jogada com Cortez, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol que garantiu o Grêmio em Abu Dhabi, sábado, para enfrentar Real Madrid ou Al Jazira.

O elenco, afinado, cumpriu à risca a ordem do comandante. Para chegar à final,   tem que passar pela semifinal. E foi isso que o Grêmio fez. Não foi nem de longe uma atuação primorosa. Pelo contrário. O Grêmio teve dificuldades para encaixar o seu jogo, a sua troca de passes e chegada com vários jogadores na frente. Nenhum gremista esperava que seria fácil, mas também nenhum imaginava que seria tão sofrido e complicado. O Pachuca fez um enfrentamento duro com Grêmio. Impediu a progressão em alta velocidade do time de Renato Portaluppi com faltas, algumas delas, bem duras. É verdade que o Tricolor também facilitou a marcação mexicana. Michel e Ramiro tinham dificuldade em trocar passes com Luan, que foi marcado em todo canto que ia, e Fernandinho. O Grêmio chegou em lances de bola parada. Aos 16 minutos, Edílson bateu ao seu estilo: forte e com efeito. Por muito pouco não encobriu o goleiro Óscar Pérez. A outra "chance" ocorreu aos 40, também de falta.

Fernandinho, pela direita, mandou com veneno. Passou perto. Do lado mexicano, o japonês Honda teve duas oportunidades. Nas duas, Cortez foi o salvador tricolor. Aos 27 minutos o atacante recebeu na entrada da área. Quando ajeitava o corpo para o chute, Cortez, como um foguete surgiu para afastar. A segunda fez a torcida gremista fechar os olhos. Aos 45, os mexicanos trocaram passes e Honda avançou área adentro. Ele preparava o arremate e Cortez, de novo, apareceu e com o bico da chuteira afastou.

O Grêmio tentou iniciar o jogo apertando a marcação do Pachuca. Dificultar a saída de bola. Óscar Pérez saía com chutão ou com o zagueiro duro - Murillo. O Tricolor parecia que iria dominar rapidamente a partida. Logo aos 5 conseguiu um escanteio. Barrios cabeceou desajeitado e para fora. Na sequência, lance pela esquerda. Cortez tabelou com Michel. O cruzamento para dentro da área saiu fraco e ficou fácil para o zagueiro do Pachuca. Os mexicanos se apresentaram aos 8 minutos num chute de Honda. Grohe só acompanhou. O lance parece ter dado ímpeto aos "tuzos". Eles conseguiram sair de trás e avançar suas linhas. O Grêmio seguiu com dificuldade de articular o contragolpe e passou a deixar a defesa exposta. Kannemann levou amarelo. Geromel afastou outras. Grohe, de soco, evitou que a bola ficasse circulando pela área. O Pachuca encontrava espaços atrás dos volantes gremistas. Com isso chegava para os cruzamentos com alguma tranquilidade e sem pressa. Ficava com a bola.

Numa saída errada do goleiro mexicano, aos 17, Luan tabelou com Fernandinho. O craque gremista acabou batendo em cima do companheiro na entrada da área. Luan apareceu novamente aos 29. Fez um lançamento primoroso para Ramiro. O meia arrancou, chegou na frente, mas ele acabou errando o desvio para o gol. Fernandinho, aos 37, arrancou pela esquerda em alta velocidade. Ele cruzou para dentro da área, mas ninguém o acompanhou. A partida seguiu tensa, estudada e dura até o apito final.

Segundo tempo

Na segunda etapa, parecia, tal como no primeiro que o Grêmio iria apertar os mexicanos. Mas, errando passes, o Pachuca foi se aproximando da área de Grohe. Aos 10 minutos, numa saída errada de Jaílson, Urretaviscaya avançou e chutou colocado. Grohe espalmou. Renato mexeu em busca de uma alternativa de força e bola áerea. Jael entrou no lugar de Lucas Barrios. A entrada deu vigor ao Grêmio. Luan, de fora da área, mandou no cantinho. Óscar Pérez defendeu. O Tricolor seguiu empurrando os mexicanos para trás. Eles tiveram uma chance aos 14 minutos. Michel errou uma saída de bola.

Honda, sempre ele, invadiua a área, quando Geromel cortou. Num cruzamento de Edílson, Jael cabeceou em cima de Pérez. Em outra chegada pela direita, outro cabeceio de Jael. Luan se aproximou da área e passou a incomodar os zagueiros mexicanos. O técnico uruguaio fechou ainda mais a equipe e deixou tudo por um contra-ataque. Aos 24, numa boa troca de passes o Pachuca chegou na cara de Grohe. Na demora em finalizar, Geromel afastou. Preocupado com os erros de passes e a falta de ritmo de Michel, Renato mandou Everton para o jogo. Luan e Fernaninho passaram a arriscar mais.

O Grêmio foi acertando a marcação e passou a assustar os mexicanos. Aos 27, Luan pegou a bola, tentou o giro e foi derrubado. Na cobrança, aos 29, Edílson mandou no cantinho. Passou pertinho. Goleiro fez golpe de vista. A equipe mexicana, com a bola, vinha forte com lances pelo alto. Aos 34 Urretaviscaya cruzou da direita. Guzman cabeceou firme. A bola foi, foi, foi e acabou saindo. Um sufoco. Respirou o torcedor. Aos 41, Fernandinho mandou um chute forte. Escanteio. Na cobrança, Jael, aos 41, desviou de cabeça e a bola bateu em Luan. O craque gremista não conseguiu dominar. O jogo ganhou contorno dramático.    As equipes se cuidando e tentando um contra-ataque mortal. Que não aconteceu.

Prorrogação

O Tricolor saiu pressionando. Marcando em cima. O Pachuca respondia com chutes de fora. Numa jogada pela esquerda, Cortez cobrou lateral em velocidade e tocou para Everton. Ele dominou, invadiu a área e mandou no ângulo. Não deu para o "goleirinho" mexicano Pérez. O relógio marcava 4 minutos do primeiro tempo. Os mexicanos, sem outra alternativa, foram ao ataque. Abusaram de bolas altas. O Grêmio passou a esperar o Pachuca. Fechava os espaços e tentava um contragolpe com Everton e Fernandinho. Aos 11, um susto. Luan perdeu a bola no meio. Geromel, o capitão américa, fez o desarme de forma limpa e precisa. Luan, aos 13, arrancou e foi driblando. Abriu a jogada para Everton, que devolve. A defesa do Pachuca fez o corte.

Os últimos 15 minutos no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain

Grêmio saiu para matar. Mais soltos, Everton e Luan chamaram o jogo. Trocando passes no campo de ataque, encontravam espaços. Leo Moura, aos 2 minutos, tocou para dentro da área. Antes de Jael chegou o zagueiro do Pachuca. O Pachuca não desistia. Seguia, quando com a bola, rodando e incomodando na frente da área. Guzman recebeu o cartão vermelho. Mais espaço em campo. Ramiro, aos 6, tocou para Jael, mas o atacante estava impedido na hora do arremate. Seguia a equipe do Pachuca tentando pelo alto. Segura e firme, a defesa gremista, afastava. Seguia o sufoco, o nervosismo. Para fechar a casinha, Renato colocou Rafael Thyere e tirou Fernandinho. Sem mais bola áerea para levar perigo. Sem mais tempo. Sem segurar a emoção: Grêmio na final do Mundial em Abu Dhabi.

Ficha técnica

Grêmio (1)

Marcelo Grohe; Edílson (Léo Moura), Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jaílson, Michel (Everton), Ramiro, Luan e Fernandinho (Rafael Thyere); Lucas Barrios (Jael).

Técnico: Renato Portaluppi.

Pachuca (0)

Óscar Pérez; Martínez, González, Murillo; García (Sagal), Hernández, Aguirre (Erick Sánchez), Urretaviscaya (Germán Cano), Guzmán e Honda; Jara (Robert Herrera).

Técnico: Diego Alonso.

Gol: Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação

Cartões amarelos: Kannemann, Ramiro, Hernández, Jael.

Cartão vermelho: Guzmán.

Árbitro: Felix Brych (Fifa/Alemanha).

Local: Estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain (Emirados Árabes Unidos).

A Tabela da Copa Metropolitana - Sub 17 FGF 2017 - Final

91 14/12 - QUI 20:00 DO VALE N. HAMBURGO NOVO HAMBURGO 2 X 1 SÃO JOSÉ IDA
92 17/12 - DOM 18:30 PORTO ALEGRE PASSO D' AREIA SÃO JOSÉ 1 X 1 NOVO HAMBURGO VOLTA                                

Campeão Esporte Clube Novo Hamburgo
Vice-Campeão São José