quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Inter joga mal e só empata com o Boa Esporte 0 a 0 mas segue líder da Série B 2017.

Novamente sem ter uma atuação convincente, o Inter apenas empatou com o Boa Esporte, sem gols, na noite desta terça-feira, no Estádio Municipal de Varginha, em Minas Gerais, em confronto válido pela 30ª rodada da Série B 2017.Desfalcado e abusando das ligações diretas, os colorados ficaram na igualdade do marcador pela primeira vez no segundo turno.

O Inter segue líder, agora com 58 pontos, três pontos à frente do América-MG. Para o quinto colocado, Vila Nova, são oito pontos de diferenlça. O time volta a campo no sábado, quando visita o Criciúma, no estádio Heriberto Hülse.

Boa melhor no primeiro tempo

Lá e cá. Assim começou a partida. Ainda nos primeiros minutos com bola rolando, as duas equipes já tiveram escanteios para levar certo perigo ao gols dos rivais. Nenhum, porém, conseguiu de fato assustar. A chance real para o Inter surgiu, sim, aos 9. Substituto do lesionado Leandro Damião, Nico López recebeu na intermediária e avançou. O uruguaio entrou na área e deu um bico forte para boa defesa de Fabrício. Em seguida, Nico cruzou William Pottker, que completou mal e sem perigo.

Não foi muito mais que isso que o Inter criou nos minutos seguintes. Pouco a pouco, o jogo inicialmente marcado por ataques e contragolpes em velocidade, foi se tornando uma partida truncada entre uma intermediária e outra, com alguns lançamentos não tão bem sucedidos assim.

Anulando bem as jogadas coloradas, o Boa cresceu. Aos 24, Wesley sofreu perto da meia-lua. Reis cobrou, a bola desviou na barreira e se perdeu pela linha de fundo, com algum perigo. Na cobrança do escanteio, Escobar surgiu entre os marcadores e cabeceou por sobre o travessão.

O Inter foi só criar de novo com algum perigo aos 36, quando D'Alessandro cobrou falta na área e Cláudio Winck cabeceou rente à trave esquerda do goleiro Fabrício. 
A última oportunidade de gol do primeiro tempo foi dos donos da casa. Na bobeada da defesa, Wesley roubou a bola de Charles e chutou rasteiro quase da entrada da área. Danilo Fernandes segurou firme e manteve o placar fechado.

Inter reage, mas não consegue o gol

Para o segundo tempo, Guto Ferreira sacou Jéferson e mandou Felipe Gutiérrez a campo, para tentar retomar a posse de bola – quesito no qual o time colorado ficou atrás na metade inicial do confronto. Winck foi quem teve a primeira chance. Ele recuperou a bola na ponta direita e invadiu a área. O chute cruzado, porém, não levou grande dificuldade para Fabrício, que segurou firme.

O Boa, por sua vez, continuou apostando nos contragolpes rápidos. Após escanteio para o Inter, Ruan levou para o ataque e, ao invés de cruzar, centralizou e tentou o ângulo. Aos 24, novo contragolpe dos donos da casa – iniciado quando Fabrício de novo deixou a área para dividir – Wesley subiu livre para a defesa de Danilo Fernandes.

A segunda mudança de Guto foi no ataque. Camilo deixou o jogo para a entrada de Roberson, aos 25. Apesar de fixar um homem na área, as jogadas não apareceram. Ainda assim, o Inter passou a frequentar o ataque, diante de um adversário retrancado. Para a reta final da partida, Carlos entrou na vaga de Nico López.
No último minuto, um lançamento finalmente resultou em chance clara de gol. Quase do meio campo, Uendel encontrou Pottker, que, entre dois marcadores, conseguiu dar um chute, que passou raspando a trave, para fora. Não era mesmo noite de gols em Varginha.

Série B - 30ª rodada

Boa Esporte 0
Fabrício; Ruan, Caíque, Douglas Assis, Paulinho; Escobar, Diones (Lucas Hulk), Fellipe Mateus (Igor Amaral), Reis e Thaciano; Wesley (Rodolfo). Técnico: Nedo Xavier. 
Inter 0
Danilo Fernandes; Cláudio Winck, Danilo Silva, Cuesta e Uendel; Charles, Jéferson (Felipe Gutiérrez), William Pottker, D'Alessandro e Camilo (Roberson); Nico López (Carlos). Técnico: Guto Ferreira.

Cartões amarelos: Ruan; Camilo, Cláudio Winck, Charles;

Arbitragem: Francisco Nascimento, auxiliado por Pedro Araújo e Rondinelle Tavares;

Local: Estádio do Melão, em Varginha (MG).

Grêmio joga melhor, mas fica no empate com o Corinthians e,com 0 a 0, segue nove pontos atrás do líder

O Grêmio jogou melhor, desperdiçou chances, mas não conseguiu vencer  o Corinthians nesta quarta-feira. O empate em 0 a 0 foi amargo, com a diferença para o líder se mantendo em nove pontos após a partida no Itaquerão.
No domingo, os comandados de Renato Portaluppi enfrentam o Palmeiras, mas com 50 pontos contra 59 do Corinthians, certamente o foco estará na partida pela Libertadores, da próxima semana. O Timão, por sua vez, encara o Botafogo na segunda-feira.
Iniciativa gremista
O Tricolor no primeiro tempo foi outro time em comparação com aquele que enfrentou o Coritiba. Competitivo, tomou iniciativa do jogo e, apesar de ser ameaçado ocasionalmente pelos corintianos, criou mais chances de abrir o placar. A pontaria, contudo, não ajudou.
Quem levou perigo primeiro, porém, foi o Corinthians. Aos 4 minutos, Jadson abriu para Arana na esquerda, o lateral achou Romero na área, mas pressionado por Edilson ele saiu com bola e tudo. O Grêmio respondeu em jogada ensaiada aos sete minutos. Luan rolou para Kannemann na quina da área. O zagueiro fez belo cruzamento no segundo pau, mas Jailson cabeceou prensado pelo goleiro Cassio.
Com muita presença na área, Jailson voltou a incomodar aos 11 minutos. Geromel fez grande lançamento e o volante teve a chance de fulminar para as redes. Indeciso, demorou para chutar e foi prensado por Fagner.
A melhor chance do Timão veio aos 25 minutos, na bola aérea, sempre um perigo com o grandalhão Jô. Jadson levantou com muito perigo e o centroavante cabeceou forte no canto esquerdo. Por sorte, desviou de leve e tirou tinta do poste.
Ramiro mostrou que o Tricolor estava no jogo aos 34 minutos. Ele recebeu na direita e disparou uma bomba. A bola acelerou no gramado úmido e Cássio teve que se virar. Tirou com o corpo para escanteio. O Grêmio ainda viu boas combinações de Fernandinho com Luan, mesmo com o atacante mostrando alguma falta de ritmo. O placar, porém, ficou zerado antes do intervalo.
Timão abafa, mas Grêmio responde
Na arrancada da segunda etapa, o Corinthians tentou abafar a saída de bola do Grêmio. Por alguns minutos, o Tricolor se complicou. Ao oito, Ramiro tirou duas vezes de cabeça na área, com a bola parando sempre nos pés de um jogador alvinegro.
Passada a pressão inicial, os gremistas voltaram a comandar as ações, com o Corinthians claramente satisfeito com o empate. Aos 11, Fernandinho levantou na área e Jô afastou. Sobrou para Edilson, que disparou um míssil de três dedos, mas Cássio fez grande defesa com os punhos.
No lance seguinte, Cortez recebeu na esquerda e centralizou para Luan. O atacante fez a finta na meia-lua e chutou forte, mas por cima. O Corinthians só foi responder aos 24 minutos, e de longe. Maycon recebeu na frente da área, tentou uma cobertura esquisita e por pouco não entrou. Tirou lasca do travessão.
Cansados, Luan e Fernandinho deram lugar a Everton e Beto da Silva. O Timão tentou mais uma estocada aos 30. Cortez tomou uma janelinha, Marquinhos Gabriel seguiu, deixou Jailson tonto e cruzou na área. Edilson veio do outro lado para bloquear Jô. Depois de ajudar atrás, o lateral apareceu para cobrar falta num dos grandes lances da partida. Na esquerda, com pouco ângulo, ele botou muito efeito, a bola contornou Cassio e bateu caprichosamente no travessão.
No finalzinho, Jael entrou no lugar de Barrios e perdeu a melhor chance de garantir uma vitória ao Grêmio. Everton recebeu bola na esquerda e cruzou para a área. Jael subiu entre dois zagueiros e, com o gol à disposição, cabeceou por cima. Era dia de um 0 a 0 frustrante para os gremistas.
Brasileirão - 29ª rodada
Corinthians 0
Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel (Fellipe Bastos), Maycon, Jadson (Clayson), Rodriguinho e Romero (Marquinhos Gabriel); Jô. Técnico: Fábio Carille.
Grêmio 0
Marcelo Grohe; Edilson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Jaílson, Arthur e Ramiro; Luan (Everton), Fernandinho (Beto da Silva) e Lucas Barrios (Jael). Técnico: Renato Gaúcho.
Juiz: Heber Roberto Lopes (SC).
Cartões amarelos: Barrios (G); Fagner (C).
Público: 40.008 pagantes.
Renda: R$ 2.231.124,40.
Local: Arena Corinthians, em São Paulo.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

ABERT OFERECE CURSO GRATUITO SOBRE NOVAS OPORTUNIDADES NO RÁDIO

Associados da ABERT e de associações estaduais terão uma oportunidade gratuita de aprender sobre a nova era do rádio, com a chegada do universo digital. No curso de ensino a distância (EaD) “Rádio: Convergência, Multiplataformas e Experimentações”, as professoras Nélia Del Bianco (Universidade Federal de Goiás (UFG) e Universidade de Brasília (UnB)) e Nair Prata (Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)) apresentarão estudos sobre a ampliação do conceito do rádio com os novos modelos de escuta e consumo, e as experimentações do meio no Brasil e em outros países.

O curso online, promovido pela ABERT, em parceria com a Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná(Aerp), é destinado a radiodifusores e profissionais do rádio e da TV, e acontece na próxima quarta-feira (18), das 15h às 17h.

Uma pesquisa sobre o Mobilize-se, versão que originou o atual projeto MobiAbert, será apresentada pelas professoras, que estudaram o comportamento das rádios no ambiente mobile digital e a utilização de suas funcionalidades. As palestrantes vão mostrar qual é o perfil do público atual, o que eles buscam e como a rádio pode se adaptar às novas tecnologias.

Os participantes vão receber certificado de participação e poderão enviar perguntas que serão respondidas ao vivo, durante o curso online. Acesse www.aerp.org.br/ensinoead para fazer sua inscrição.

Saiba como funcionará o financiamento para rádios comunitárias, caso projeto seja aprovado

Atualmente, está em tramitação o projeto de lei nº 4.133/2012, que busca regulamentar o financiamento para as rádios comunitárias.
O projeto já foi acatado pelo Senado, e está aguardando aprovação da Câmara dos Deputados para ser enviado para sanção presidencial — quando se tornará efetivamente uma lei.
Para entender como é e como ficará o financiamento para essas rádios caso o projeto de lei seja aprovado, acompanhe este texto!

Legislação atual

A radiodifusão comunitária (rádios comunitárias) é regulamentada pela lei 9.612/1998, que a define como o serviço de transmissão de sinais de curto alcance, outorgado a fundações e associações comunitárias sem fins lucrativos, com sede na localidade da prestação de serviços.
Elas têm como finalidade legal (art. 3º) atender a comunidade beneficiada, proporcionando a difusão de ideias, elementos culturais, tradições e hábitos sociais da população.
Também deve oferecer mecanismos para formação e integração, estimulando o lazer, a cultura e o serviço social, além de prestar serviços de utilidade pública, integrando-se à defesa civil sempre que necessário.
Deve, ainda, contribuir para o aperfeiçoamento profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e radialistas e permitir a capacitação dos cidadãos no exercício do direito de expressão da forma mais acessível possível.
Desse modo, os recursos financeiros são essenciais para o cumprimento de seus objetivos.

Financiamento para rádios comunitárias

A lei atual não regulamenta nenhuma forma de financiamento para as rádios comunitárias: é permitido apenas o patrocínio em forma de apoio cultural para os programas a serem transmitidos, devendo o patrocínio ser restrito aos estabelecimentos situados na área da comunidade atendida.
Além disso, é vedada a cessão ou arrendamento da emissora ou de horários da programação. Nesse cenário, é difícil para essas rádios conseguirem o rendimento necessário para custear suas atividades e melhorar os seus serviços.
Procurando modificar essa situação, tramita atualmente o projeto de lei n. 4.133/12, que regulamenta o financiamento para rádios comunitárias.

Financiamento no projeto de lei nº 4.133/12

O financiamento previsto no projeto só será concedido para as entidades detentoras da autorização para operação prevista na Lei 9.612/1998, por intermédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
É uma mudança de extrema importância para essas rádios, visto que, pela sua natureza não lucrativa, a lei também veda a propaganda comercial e limita os estabelecimentos que podem oferecer o patrocínio a título de apoio cultural.
O financiamento terá um prazo de duração de até 10 anos, com prazo de carência de 2 anos, e aplicação de taxa de juros de longo prazo (TJLP), ou outra taxa que a substitua. Contudo, outras normas ainda deverão ser regulamentadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Benefícios do financiamento

Os recursos obtidos no financiamento deverão ser aplicados em projetos de capacitação técnica e operacional das emissoras.
De acordo com o projeto, o financiamento pode ser utilizado para:
adquirir equipamentos e modernizar as instalações;
criar e produzir programas de caráter educativo-cultural destinados a divulgar manifestações culturais da comunidade;
programas de bolsas para formação e aperfeiçoamento de profissionais;
prestação de consultoria técnica especializada;
projetos de levantamento, cadastramento e divulgação de emissoras comunitárias, de suas programações e de seus parâmetros de operação;
apoiar a atuação dos conselhos comunitários.
Desse modo, o financiamento permitirá a modernização das rádios comunitárias, fornecendo recursos para sua estruturação e ampliação. Isso reflete diretamente na produção e transmissão de programas, que poderão ser melhorados.
Tudo isso ajudará as rádios a cumprirem com suas finalidades legais, facilitando e ampliando a sua interação com as comunidades.

Grêmio joga mal, mas vence o Coritiba com gol nos acréscimos garantindo o improvável 1 a 0

O Grêmio jogou mal, apresentou enormes dificuldades para ameaçar o Coritiba e chutou apenas uma bola na gol paranaense. Mas essa bola foi precisa e o chute de Ramiro entrou lá no ângulo esquerdo, garantindo o improvável 1 a 0 neste domingo no Couto Pereira. Vitória complicada, mas para dar moral antes do confronto com o Corinthians.
Com o resultado, os gremistas chegam a 49 pontos, na vice-liderança do Brasileirão. A diferença para o líder diminuiu para nove pontos e a folga na zona de Libertadores cresceu para dez pontos. O Coritiba manteve a sequência ruim, na vice-lanterna com 28 pontos.
Começo ruim e pressionado
O Tricolor começou muito mal, sufocado pelo Coritiba e sem opções para contra-atacar. Numa exibição de baixa qualidade técnica, as chances foram todas em bolas paradas, na base da insistência.
A primeira delas, logo aos três minutos, quando Ramiro fez falta na esquerda. Carleto experimentou direto, com uma bomba no canto, mas Grohe caiu certo e mandou para escanteio. Na cobrança, Werley subiu sozinho entre dois marcadores e deslocou Grohe. Para a sorte gremista, passou tirando tinta do poste direito.
O jogo entrou num hiato ofensivo, com o Grêmio finalmente mantendo a bola, mas sem encontrar espaços, com insistência pelo meio. Apenas aos 18 minutos, alternando para as pontas, os comandados de Renato Portaluppi finalmente ameaçaram. O primeiro lance surgiu em bola ganha pelo alto por Barrios. O paraguaio lançou Cortez, que cruzou forte na área, mas Cléber Reis se antecipou a Fernandinho para afastar.
A equipe gremista passou a empilhar escanteios, mas com pouca efetividade aérea. A resposta do Coxa veio aos 27 minutos, em nova falta. Ramiro, por sinal, acumulou lances faltoso e levou amarelo. Na sequência, poderia ter levado o segundo, com expulsão, mas foi poupado. No tiro livre, Carleto chutou forte, Grohe deixou escapar, mas conseguiu se recuperar para pegar em dois tempos.
Chance mesmo, o Grêmio só teve aos 32 minutos, em escanteio. Fernandinho levantou com perfeição para Geromel, que testou com força, mas desviou a centímetros do poste esquerdo. Antes do intervalo, Cortez falhou um bote na meia-lua e deixou Tiago Real entrar na área sozinho. Por sorte, o atacante se afobou, chutou no giro e mandou por cima. 
A "ajeitadinha" no final da etapa inicial não se refletiu no segundo tempo. O Grêmio começou mais pressionado ainda. Logo no primeiro lance, Dodô cruzou esquisito e quase encobriu Grohe, que viu a bola sair em tiro de meta. Dois minutos depois, o Coritiba viu a bola entrar, só que a trave salvou o Tricolor. Toda a zaga parou na cobrança de falta, Werley surgiu no segundo pau livre e enfiou o pé no voleio. Caprichosamente, carimbou a trave direita.
Chance gremista, só em falha da zaga do Coxa. Aos 12 minutos, Geromel deu um balão para a frente, Arroyo pressionou a zaga e Cléber Leite cabeceou para trás. Encobriu o goleiro Wilson, mas também mandou para fora. No contragolpe do Coxa, Tiago Real desviou na área, a um passo da pequena área, mas Grohe teve reflexo para catar firme.
Renato lançou Everton no lugar de Arroyo e, depois, Beto da Silva substituiu Barrios. O Grêmio voltou a atacar aos 25. Fernandinho driblou dois com um giro, correu para a área e foi derrubado por Jonas. Edílson cobrou com muita força, mas sobre a meta do goleiro Willson, que não tinha feito qualquer defesa.
O Coritiba apertou a pressão e quase marcou aos 36 minutos. Anderson fez grande passe para a área, Geromel falhou e Henrique Almeida aparecia para conferir, mas Marcelo Grohe se atirou nos pés do atacante para pegar.
Jael entra para fazer assistência da vitória
Aos 40, o Grêmio finalmente explorou as costas da marcação deficiente do Coritiba e quase marcou. Arthur foi lançado, invadiu a área e podia chutar na cara do gol, só que tentou o passe e carimbou um marcador. Mas Grohe ainda teria de trabalhar num peixinho de Henrique Almeida, catando no canto direito.
Jael entrou como última esperança, no lugar de Fernandinho. E funcionou. Aos 46, já nos acréscimos, o centroavante caiu na intermediária, a marcação parou e ele acreditou. Levantou, deu um biquinho na bola e Ramiro passou correndo, livre, leve e solto. O volante olhou a saída do goleiro e enfiou um chutaço no ângulo esquerdo, decretando a vitória gremista.
Brasileirão 2017 - 28ª rodada 
0 Coritiba 
Wilson; Dodô, Werley, Cléber Reis e Carleto; Alan Santos, Jonas, Matheus Galdezani (Yan) e Tiago Real (Neto Berola); Rildo (Anderson) e Henrique Almeida. Técnico: Marcelo Oliveira. 
1 Grêmio 
Marcelo Grohe; Edilson, Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jailson, Arthur e Ramiro; Fernandinho (Jael), Arroyo (Everton) e Lucas Barrios (Beto da Silva). Técnico: Renato Portaluppi.  
Gol: Ramiro, aos 46/2º
Cartões Amarelos: Dodô (C); Jonas (C); Henrique Almeida (C); Kannemann (G), Ramiro (G); Beto da Silva (G);
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Local: Couto Pereira.

sábado, 14 de outubro de 2017

“A Globo é um demônio dentro das nossas casas”, denuncia bispo Celso Antônio Marchiori pediu união de católicos e evangélicos contra emissora

Em um sermão recente, Dom Celso Antônio Marchiori, o bispo da Diocese de Apucarana (PR), conclamou católicos e evangélicos para se posicionarem contra a Rede Globo. Segundo o líder religioso, a emissora ataca constantemente a família e a religião cristã. A mensagem, parte final de uma missa, tem se espalhado por grupos de Wahtsapp do país inteiro. “Nós, católicos, aliás, não deveríamos assistir mais a Rede Globo, porque a rede Globo é um demônio dentro das nossas casas com suas novelas e seus programas com aparência religiosa”, enfatizou, sendo aplaudido pelos fiéis presentes. Marchior também citou a Bíblia em sua admoestação: “Cuidado, porque a Palavra de Deus diz, na primeira carta de Paulo aos Coríntios que o diabo tem poder de se transformar num anjo de luz para enganar, se possível até, os eleitos”. Segundo ele, a Globo “é uma rede manipuladora que está nos conduzindo para o abismo, para a destruição”. Finalizou dizendo que já conversou com pastores sobre a necessidade dos cristãos se unirem contra a emissora que ataca a religião e a família.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Grêmio tem má atuação na Arena e perde para o Cruzeiro por 1 a 0

O Grêmio teve mais uma atuação ruim, foi envolvido para o Cruzeiro e perdeu por 1 a 0, nesta quarta-feira na Arena. O Tricolor caiu para o quarto lugar no Brasileirão, com 46 pontos, sendo superado exatamente pelo clube mineiro, que sobe à vice-liderança. O Tricolor tentará se redimir no Couto Pereira, domingo, contra o Coritiba.
A equipe gremista deixou o Cruzeiro manter mais a bola na primeira etapa e apostou nas transições rápidas para ameaçar. O resultado foi um jogo muito estudado e de poucas oportunidades de gol. A primeira delas foi dos mineiros, gerando bela defesa de Marcelo Grohe. Alisson recebeu na quina da área e disparou um chute no ângulo esquerdo, mas parou no goleirão gremista.
O Tricolor tentou responder aos 13, mas Fernandinho desperdiçou a chance. Arroyo lançou o atacante na área e este tabelou com Edilson. De frente para a meta, Fernandinho chutou forte, mas isolou.
Um começo mais movimentado deu lugar a um hiato de boas jogadas até os 25 minutos. Aí, pelos lados, o Grêmio chegou. Jailson lançou Edílson na direita, o lateral cruzou na marca do pênalti e Jean Pyerre tentou o cabeceio. Saiu fraco para defesa de Rafael.
Barrios manda nas redes, mas impedido
Dois minutos depois, os comandados de Renato Portaluppi até mandaram a bola para o fundo das redes, mas o gol não foi validado. Jean Pyerre lançou Barrios de frente para a meta e ele cutucou para as redes. Só que a arbitragem já tinha parado em impedimento, com o paraguaio um passo à frente dos defensores.
Depois disso, o Cruzeiro ensaiou uma pressão, mas sem ameaçar diretamente a meta gremista. Apenas aos 40 o Tricolor voltou a arriscar. Fernandinho tabelou com Jean Pyerre e lançou Barrios na área. O centroavante demorou um pouco para chutar e bateu em cima de Digão.
A última chance da etapa foi em cobrança de falta, com certo otimismo de Edílson. O lateral experimentou uma bomba do meio da rua, saiu com bastante veneno, mas passou raspando o travessão do Cruzeiro. Zero a zero apropriado para o futebol do primeiro tempo.
O Grêmio começou a segunda etapa ameaçando, em combinação de Fernandinho e Arroyo. Aos cinco minutos, o atacante lutou pela bola e conseguiu rolar para Arroyo. O equatoriano encheu o pé de primeira, mas a bola bateu na zaga.
Cinco minutos depois, Arroyo foi derrubado ao lado da área e quase marcou na bola parada. Ele disparou um belo chute colocado, rente ao poste esquerdo e só não correu para o abraço porque Rafael fez grande defesa. Aí Renato tentou aumentar a velocidade, com Patrick e Everton nos lugares de Arroyo e Jean Pyerre, aos 11 minutos.
Sobis fulmina o Tricolor
Mas quem atacou foi o Cruzeiro. Aos 15, Alisson recebeu na esquerda, cortou para a risca da área e chutou com efeito. Marcelo Grohe fez a defesa. O Tricolor respondeu com Barrios. O paraguaio fez a parede e rolou para Fernandinho na área, mas o atacante chutou para fora. Aos 22, Edílson cruzou no segundo pau, Everton bateu de chapa e Rafael salvou o Cruzeiro com uma grande defesa.
O castigo gremista veio no contragolpe. A zaga teve uma rara falha de posicionamento, Thiago Neves lançou Sobis livre na área e o atacante fulminou o 1 a 0 sem chances para Grohe.
Renato ainda lançou Beto da Silva no lugar de Arthur, porém as chances de gol não foram claras. Em duas bolas paradas o Tricolor tentou, com Geromel parando na marcação. Ainda reclamou de bola que bateu na mão de zagueiro, mas a derrota por 1 a 0 se manteve, com vaias do pequeno público na Arena.
Brasileirão - 28ª rodada
Grêmio 0
Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Jailson, Arthur (Beto da Silva) e Jean Pyerre (Patrick); Fernandinho, Arroyo (Everton) e Lucas Barrios. Técnico: Renato Gaúcho.
Cruzeiro 1
Rafael; Ezequiel, Digão, Manoel e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson (Lucas Romero), Alisson (Rafael Marques), Rafinha e Thiago Neves; Rafael Sóbis (Élber). Técnico: Mano Menezes.
Gol: Rafael Sóbis (23min/2ºT).
Arbitragem: Rodrigo Batista Raposo (DF), com Jose Reinaldo Junior (DF) e Daniel Henrique da Silva Andrade (DF).
Renda: R$ 234.055,00.
Público: 9.217 presentes.
Local: Arena.